Patrocínio

Post Top Ad

Fronteira

Transportadores de pequenas cargas chegam a acordo com alfândega paraguaia


 Trabalhadores que transportam pequenas cargas no Paraguai, os chamados "paseros" protestaram nesta quinta-feira (29) pela manhã em Ciudad del Este para exigir maior agilidade no processo de liquidação e pagamento de impostos para pequenas cargas. Eles fecharam o acesso à cidade das 7h às 11h. Do lado brasileiro, formou-se uma fila de quase 11 quilômetros.


Nelson Fleitas, administrador da Alfândega do CDE, reuniu-se com os principais dirigentes dos paseros e chegou a um acordo, de modo que finalmente os manifestantes decidiram suspender a medida de força, que paralisou a entrada no país.


O alfandegário disse que todos vão trabalhar em regime de Despacho Simplificado de Trânsito de Fronteira (TVF), figura jurídica existente e através da qual podem operar legalmente respeitando a lista de produtos, cuja entrada é proibida. Ele comentou que foram explicados os regulamentos habilitados para que eles possam inserir seus produtos. “Também fornecemos a lista de produtos que eles podem trazer”, disse.


Ele ressaltou que o processo de formalização do setor está avançando. “Explicamos a eles quais são as atribuições permitidas e o que podem usar, ou seja, podem entrar; Também fornecemos a lista de produtos que podem trazer”.


Ele esclareceu que também há o compromisso de respeitar a lista do que não é permitido entrar no país. “O que é restrito com certeza não pode ser importado, como frango e açúcar. Ovo está habilitado em uma quantidade mínima”. Ele também confirmou que está conversando com o pessoal do Banco Nacional do (BNF) para habilitar um banco dentro da administração para que os transeuntes possam pagar seus impostos.


Ele comentou que o BNF deu detalhes aos transeuntes sobre como abrir uma conta e assim agilizar e facilitar o pagamento de tributos, e eles também foram informados da existência de créditos disponíveis.


Trabalhar

Os transeuntes concordaram com o resultado da conversa. Tiraram a medida de força e depois foram para o ex-aeroporto de Alejo García onde relataram com mais detalhes o que foi discutido com o administrador da Alfândega.


A ameaça de fechamento da fronteira é ouvida desde a semana passada, especialmente quando a Alfândega e a Marinha do Paraguai aumentaram os controles após o lançamento da campanha de contrabando zero.


Não é um problema novo, no ano passado houve várias mobilizações feitas por transeuntes que denunciaram que o contrabando chega em grandes vagões e não em pequenos veículos. Aliás, os transeuntes sempre denunciaram que a fronteira foi fechada para um determinado setor e não para todos.


Soma-se a esse cenário a legião de desempregados que Ciudad del Este tem hoje, estimada em cerca de 35 mil, causados ​​apenas durante esta pandemia e que de alguma forma têm que sobreviver. A situação não é fácil para uma cidade que vive do comércio fronteiriço.


Fonte: Portal da Cidade com La Clave


Postagens relacionadadas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar em nosso site, logo ele estará disponível para todos os usuários.

Patrocínio